SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número5-6A manobra de Carnett: simples e clarificadora índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Arquivos de Medicina

versão On-line ISSN 2183-2447

Arq Med v.19 n.5-6 Porto set. 2005

 

Tabagismo em Portugal

Sílvia Fraga*, Sandra Sousa*, Ana-Cristina Santos*, Margarida Mello†, Nuno Lunet*, Patrícia Padrão*, Henrique Barros*

*Serviço de Higiene e Epidemiologia, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; † Faculdade de Economia da Universidade do Porto

 

Resumo

Os efeitos do tabaco e as consequências que ele produz a nível da saúde já estão bem estudados e documentados. Fumar é o factor de risco modificável com o maior número de mortes atribuídas. Portugal encontra-se num estádio da epidemia menos adiantado em relação à maioria dos países desenvolvidos. Contudo, existem diferenças de consumo de cigarros entre as zonas rurais urbanas do país, sendo superior nas zonas urbanas, e o padrão de evolução é distinto, verificando-se uma ligeira diminuição nos homens e um aumento nas mulheres, o que faz esperar, além das complicações comuns a ambos os sexos, adicionais consequências na função reprodutiva e no resultado da gravidez. A prevalência de consumo de tabaco é elevada nas grávidas, sendo necessárias fortes medidas de combate ao consumo de tabaco nesta população. O consumo de tabaco inicia-se frequentemente na adolescência, sendo as iniciativas destinadas à prevenção do consumo de tabaco especialmente importantes nestas idades. A elevada prevalência de fumadores no grupo dos profissionais de saúde, nomeadamente nos médicos e enfermeiros, e entre os professores, merece particular atenção, uma vez que poderão funcionar como exemplos na sociedade. A lei portuguesa sobre a Prevenção do Tabagismo é restritiva, sendo necessária a fiscalização do seu efectivo cumprimento. É importante a monitorização periódica da prevalência de fumadores em Portugal, incluindo amostras representativas da população continental e regiões autónomas, que permitam a análise de dados estratificados, demográfica e socioeconomicamente, bem como trabalhos de investigação, com atenção especial a grupos populacionais mais vulneráveis, como são adolescentes, grávidas e profissionais de saúde.

Palavras-chave: tabaco; Portugal; legislação; prevenção

 

Abstract

Tobacco Comsumption in Portugal

The effects of tobacco smoking on health are well documented, and smoking is the modifiable risk factor to which a larger number of deaths is attributed. Portugal is placed in an earlier stage of the tobacco epidemic than most developed countries. However, there are diferences in the cigarette consumption across regions within Portugal, with higher prevalence of smoking observed in the urban areas, and the trends in consumption are also heterogeneous, with a small decrease in males and an increase in females. The latter allows us to foresee an increase in the frequency of tobacco-related effects on the reproductive function and pregnancy outcomes, in addition to the effects of smoking that are common to both genders. The prevalence of smoking is pregnant women is high, asking for strong measures to tackle the tobacco consumption in this population. Smoking habits are frequently initiated during adolescence, and the efforts to prevent tobacco consumption are especially important in this age-group. The high prevalence of smoking among teachers and health professionals, namely in doctors and nurses, deserves special attention due to their role as models to other elements of the society. The Portuguese law regarding smoking prevention is restrictive, and it is necessary to ensure that it is respected. The regular monitoring of smoking habits in Portugal is needed, including representative samples of the population from the continental territory and from the Autonomous Regions, allowing the analysis of data stratified by sociodemographic and economical factors, and also focusing adolescents, pregnant women, and health professionals.

Key-words: smoking; portugal; legislation; prevention

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS

1 - Routh HB, Bhowmik KR, Parish JL, Parish LC. Historical aspects of tobacco use and smoking. Clin Dermatol 1998;16(5):539-44.

        [ Links ]

2 - Borio G. Tobacco Timeline. In: http://www.tobacco.org/ resources/history/Tobacco_History20-1.html; 2003.

3 - World Bank Group. Curbing the Epidemic: Governments and the Economics of Tobacco Control. In. Washington, DC; 1999.

4 - Ferreira-Borges C. Tabagismo. Lisboa: Climepsi Editores; 2004.

5 - Schairer E, Schoniger E. Lung cancer and tobacco consumption. Int J Epidemiol 2001;30(1):24-7; discussion 30-1.

6 - Levin ML, Goldstein H, Gerhardt PR. Cancer and tobacco smoking; a preliminary report. J Am Med Assoc 1950;143(4):336-8.

7 - Wynder EL, Graham EA. Landmark article May 27, 1950: Tobacco Smoking as a possible etiologic factor in bronchiogenic carcinoma. A study of six hundred and eighty-four proved cases. By Ernest L. Wynder and Evarts A. Graham. Jama 1985;253(20):2986-94.

8 - Schrek R, Baker LA, et al. Tobacco smoking as an etiologic factor in disease; cancer. Cancer Res 1950;10(1):49-58.

9 - Doll R, Hill AB. Smoking and carcinoma of the lung; preliminary report. Br Med J 1950;2(4682):739-48.

10 - WHO. Development Goals and Tobacco Control.: World Health Organtization; 2005.

11 - Vitória P, Raposo C, Peixoto F, Pais Clemente M, de Vries H. Prevenção do tabagismo nos jovens: Resultados doProjecto ESFA. Clin-Saude 2004;1 (4):41-45.

12 - Centers for Disease Prevention and Health. Reducing Tobacco Use: A report of the Surgeon General. Atlanta, Georgia: U.S. Department of Health and Human Services; 2000.

13 - Lopez A, Hollinshaw N, Piha T. A descriptive model of the cigarette epidemic in developed countries. Tob Control 1994;3:242-47.

14 - Lima J. Gravidez e Tabagismo. Bol-Soc-Port-Hemorreol-Microcircul 2002;17(2):35.

15 - Dolan-Mullen P, Ramirez G, Groff JY. A meta-analysis of randomized trials of prenatal smoking cessation interventions. Am J Obstet Gynecol 1994;171(5):1328-34.

16 - Kleinman JC, Pierre MB, Jr., Madans JH, Land GH, Schramm WF. The effects of maternal smoking on fetal and infant mortality. Am J Epidemiol 1988;127(2):274-82.

17 - Shaham J, Ribak J, Green M. The consequences of passive smoking: an overview. Public Health Rev 1992;20(1-2):15-28.

18 - Steenland K. Passive smoking and the risk of heart disease. Jama 1992;267(1):94-9.

19 - Santos AC, Barros H. Smoking patterns in a community sample of Portuguese adults, 1999-2000. Prev Med 2004;38(1):114-9.

20 - Jha P, Chaloupka FJ. The economics of global tobacco control. Bmj 2000;321(7257):358-61.

21 - Fernández E, Schiaffino A, Borras JM. Epidemiologia del Tabaquismo en Europa. Salud Publica Mex 2002;44(1):S11-S19.

22 - Centers for Disease and Control. Mortality and Morbidity Weekly Report. May 27, Vol.54, n.º20; 2005.

23 - Harrell JS, Bangdiwala SI, Deng S, Webb JP, Bradley C. Smoking initiation in youth: the roles of gender, race, socioeconomics, and developmental status. J Adolesc Health 1998;23(5):271-9.

24 - Tonnesen P. How to reduce smoking among teenagers. Eur Respir J 2002;19(1):1-3.

25 - de Vries H, Mudde A, Leijs I, Charlton A, Vartiainen E, Buijs G, et al. The European Smoking Prevention Framework Approach (EFSA): an example of integral prevention. Health Educ Res 2003;18(5):611-26.

26 - American Cancer Society, Inc.,World Health Organization, and International Union Agaisnt Cancer. The Tobacco Control Profiles (2nd edition); 2003.

27 - Lunet N, Barros H. A epidemia do tabaco em países de lingua portuguesa. Arq-Med 2004;18(3):156-58.

28 - Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Inquérito Nacional de Saúde 1987: Ministério da Saúde; 1987.

29 - Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Inquérito Nacional de Saúde 1995/96: Ministério da Saúde; 1997.

30 - Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Inquérito Nacional de Saúde 1998-1999: Ministério da Saúde; 2001.

31- Magalhães E, Pádua JM, Miguel JP. Hábitos Tabágicos da População Portuguesa, 1996/97. Prevenção do Tabagismo 1996;4.

32 - Cayolla da Mota L. Inquérito Nacional de Saúde. Jornal O Médico 1984;111:771-773.

33 - Falcão JM. Fumar: Homens e Mulheres a Caminho de uma Igualdade Desnecessária. Saúde em Números 1988;3:4-6.

34 - Carvalho B. Economia do Tabaco: Consumo Actual e Perspectivas de Futuro: Conselho de Prevenção do Tabagismo; 1990.

35 - Cruz JAA, Martins I, Mano MC, Dantas MA, Airoso ML, Rombo MM, et al. Nutrição e Saúde dos idosos de Vila Franca de Xira - III. estilo de vida: Alimentação, bebidas alcoólicas, actividade física, tabaco e exposição ao sol. Rev-Port-Nutr 1992;4(3):4-18.

36 - Nunes L, Pipa J, Nascimento C, Costa A, Cabral C, Almeida L, et al. [Prevalence of several cardiovascular risk factors in a population in the municipality of Viseu]. Rev Port Cardiol 1997;16(9):703-7, 664.

37 - Bordalo-Sa AL, Santos AL, Tuna JL, Neves L, Melo M, Ribeiro C, et al. [Coronary disease in the postmenopausal woman. The experience of an intensive care unit over 10 years]. Rev Port Cardiol 1997;16(12):975-83, 956.

38 - Pinto A, Frazão H, Breda J. Perfil do doente alcoólico crónico utente do Centro Regional de Alcoologia de Coimbra. Bol-Centro-Reg-Alcool-Coimbra 1997;1(2):3-6.

39 - Granja C, Teixeira-Pinto A, Costa-Pereira A. Quality of life after intensive care—evaluation with EQ-5D questionnaire. Intensive Care Med 2002;28(7):898-907.

40 - Santiago LM, Serra e Silva P. Coronary heart disease risk: the results of population screening by the Central Region Branch of the Portuguese Heart Foundation. Rev Port Cardiol 2003;22(9):1039-48.

41 - Almeida S, Tavares M, Barros H. Prevalência de Tabagismo durante a Gravidez em Portugal. Gac Sanit 2002;16(Supl1):33-132.

42 - Figueiredo B, Pacheco A, Magarinho R. [Adolescent and adult pregnant women: different risk circumstances?]. Acta Med Port 2005;18(2):97-105.

43 - Ferreira-Borges C. Effectiveness of a brief counseling and behavioral intervention for smoking cessation in pregnant women. Prev Med 2005;41(1):295-302.

44 - Medeiros JAS, Marques MPGS, Goulão JMC. Inquérito aos Hábitos Tabágicos de Médicos do Hospital da Universidade de Coimbra. Coimbra Médica 1982;3.5:341-47.

45 - Medeiros JAS, Marques MPGS. Tabaquismo entre os Elementos de Enfermagem do Hospital de Coimbra. Coimbra Médica 1981;2.2:129-133.

46 - Almeida IM. Hábitos tabágicos dos enfermeiros do Hospital Amato-Lusitano. Rev-Saude-Amato-Lusitano 2003;7(14): 23-28.

47 - Sá AB, Ferreira C, Branco AG. Hábitos e atitudes dos médicos de família portugueses em relação ao tabaco. Rev-Port-Clin-Geral 1994;11(3):177-187.

48 - Almeida IM. Hábitos Tabágicos nos Médicos do Hospital amato Lusitano. Rev-Saude-Amato-Lusitano 1998;8:17-21.

49 - Brandão MP. Atitudes, Conhecimentos e Hábitos Tabágicos dos professores dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico do Porto [Dissertação de Mestrado em Saúde Pública]: Dissertação de Mestrado em Saúde Pública. Faculdade de Medicina do Porto; 2002.

50 - Marques-Vidal P, Llobet S, Carvalho Rodrigues JA, Halpern MJ. Cardiovascular risk factor levels in Portuguese students. Acta Cardiol 2001;56(2):97-101.

51 - Monteiro AB, Neves AL, Marques MM, Lopes C. Hábitos Tabágicos em Estudantes Universitários do Porto. Arq-Med 2004;18(3):98-102.

52 - Precioso J. Quando e porquê começam os estudantes universitários a fumar: Implicações para a prevenção. Análise Psicológica 2004;3(XXII):499-506.

53 - Rocha E, Iglésias P, Baptista T, Cabrita J. Auto-avaliação do estado de saúde e comportamentos de risco da população estudantil da Universidade de Lisboa. Rev-Epidemiol 2001;4(1):19.

54 - Rodrigues HL, Rodrigues D, Fortuna P, Morais RB, Alpoim B, Alves J, et al. Dependência de nicotina nos alunos do 3º ano da Faculdade de Medicina de Lisboa. Rev-Fac-Med-Lisboa 2003;8 - Série 3(1):41-47.

55 - Goulão JM, Medeiros JAS. Inquérito aos hábitos tabágicos em jovens escolares do Ensino Secundário. Coimbra Médica 1981;2.2:129-133.

56 - Machado AP, Vicente P, Barros H. Adolescent Smokers in Portuguese Schools. Saúde em Números 1995;10:17-19.

57 - Azevedo A, Machado AP, Barros H. Tobacco smoking among Portuguese high-school students. Bull World Health Organ 1999;77(6):509-14.

58 - Silva DM, Silva EM. Tabaco: a primeira vez. Saúde-infant 1997;19(2):23-30.

59 - Faria H. Drogas ilícitas, álcool e tabaco. 1999.

60 - Pires S. Juventude e Tabaco. Rev-Saude-Amato-Lusitano 1996;1(2):12-44.

61 - Manso JR. Factores explicativos do consumo de tabaco num distrito do interior de Portugal. Revista de Estatística INE 1999;3ºQUAD Nº12.

62 - Ribeiro TT. Consumos de tabaco, álcool, haxixe e outras substâncias em meio escolar [Dissertação de Mestrado em Saúde Pública]: Faculdade de Medicina do Porto; 2000.

63 - Marreiros MC. Relações Sexuais Precoces e Comportamentos de Risco dos Adolescentes: Dissertação de Mestrado em Saúde Pública. Faculdade de Medicina do Porto; 2002.

64 - Matos M. e equipa do Projecto Aventura Social e Saúde. A saúde dos Adolescentes Portugueses (Quatro anos depois). Lisboa; 2003.

65 - Correia P, Carvalho I, Campos RA. Consumo de tabaco e álcool em adolescentes de Vila Nova de Gaia. Acta-pediatr-port 2004;35(4):329-333.

66 - Correia T. Saúde Reprodutiva: Planeamento Familiar, Conhecimentos e Comportamentos Sexuais nos Adolescentes. Porto: Dissertação de Doutoramento em Saúde Pública. Faculdade de Medicina do Porto; 2005.

67 - Lacerda Cardoso AC. Hábitos Tabágicos e Avaliação da Eficácia dos Avisos de Advertência nos Maços de Tabaco em Estudantes Portugueses. Porto: Dissertação de Mestrado em Saúde Pública. Faculdade de Medicina do Porto; 2005.

68 - World Health Organization (WHO). Guideliness for Controlling and Monitoring the Tobacco Epidemic. Geneva, Switzerland: WHO Tobacco or Health Programme.1997.

69 - Fagerstrom KO. Measuring degree of physical dependence to tobacco smoking with reference to individualization of treatment. Addict Behav 1978;3(3-4):235-41.

70 - Ramos E, Barros H. Prevalence of hypertension in 13-year-old adolescents in Porto, Portugal. Rev Port Cardiol 2005;24(9):1075-87.

71 - Fraga S, Ramos E, Barros H. [Smoking and its associated factors in Portuguese adolescent students]. Rev Saude Publica [in press].

72 - Pargana E, Gaspar A, Santa Marta C, Pires G, Prates S, Morais de Almeida M, et al. Tabagismo Passivo e gravidade das asma brônquica na criança. Rev-Port-Pneumol 2001;7(1):25-32.

73 - Instituto Nacional de Estatística. Inquéritos aos Orçamentos Familiares 2000 - Despesas com Tabaco. In Destaque do INE.; 2002.

74 - Padrão P, Mello M, Barros H. Tobacco consumption and price in Portugal over the last two decades. In; 2002.

75 - Dedobbeleer N, Beland F, Contandriopoulos AP, Adrian M. Gender and the social context of smoking behaviour. Soc Sci Med 2004;58(1):1-12.

76 - Shibuya K, Ciecierski C, Guindon E, Bettcher DW, Evans DB, Murray CJ. WHO Framework Convention on Tobacco Control: development of an evidence based global public health treaty. Bmj 2003;327(7407):154-7.

77 - Decreto-Lei n.º226/83 In: Diário da República, I série, n.º122, 27 de Maio; 1983.

78 - Euromonitor International. Tobacco in Portugal. [http://www.euromonitor.com/Tobacco_in_Portugal]. In; 2005.

79 - Decreto-Lei n.º421/80 In: Diário da República, I série, n.º226, 30 de Setembro; 1980.

80 - Lei n.º22/82. Prevenção do Tabagismo. In: Diário da República, I série, n.º189, 17 de Agosto; 1982.

81- Decreto-Lei n.º 444/86 In: Diário da República, I Série, n.º300, 31 de Dezembro; 1986.

82 - Decreto-Lei n.º52/87. In: Diário da República, I série, n.º 25, 30 de Janeiro; 1987.

83 - Decreto-Lei n.º393/88. In: Diário da República, I série, n.º 258, 8 de Novembro; 1988.

84 - Decreto-Lei n.º287/89. In: Diário da República, I série, n.º199, 30 de Agosto; 1989.

85 - Decreto-Lei n.º253/90. In: Diário República, I série, n.º179, 4 de Agosto; 1990.

86 - Decreto-Lei n.º200/91. In: Diário da República, I série-A, n.º123, 29 de Maio; 1991.

87 - Portaria n.º821. In: Diário de República, I série-B n.º184, 12 de Agosto; 1991.

88 - Decreto-Lei n.º283/98. In: Diário da Républica, I série-A, n.º215, 17 de Setembro; 1998.

89 - Decreto-Lei n.º138/2003. In: Diário da República, I série-A, n.º147, 28 de Junho; 2003.

90 - de Vries H, Mudde A, Kremers S, Wetzels J, Uiters E, Ariza C, et al. The European Smoking Prevention Framework Approach (ESFA): short-term effects. Health Educ Res 2003;18(6):649-63; discussion 664-77.

91 - Precioso J. Não fumar é o que está a dar. Programa de Prevenção do comportamento de fumar. Edições Casa do Professor 2000.

92 - Direcção Geral de Saúde. Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Doença Pulmunar Obstrutiva Crónica; 2004.

93 - Dias CM, Graça MJ, Falcão JM. Algumas características Sócio-económicas dos Fumadores na População de Portugal Continental. Resultados do Inquérito Nacional de Saúde de 1995/1996: Observatório Nacional de Saúde; 1999.

94 - Rahman M, Fukui T. Biomedical publication—global profile and trend. Public Health 2003;117(4):274-80.

 

Correspondência: Prof. Henrique Barros Serviço de Higiene e Epidemiologia

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Alameda Prof. Hernâni Monteiro 4200-319 Porto

e-mail: hbarros@med.up.pt

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons